sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Programa da ONU elogia decisão do Brasil de debater prevenção combinada do HIV

César Nuñez, diretor regional do UNAIDS para América Latina e Caribe. Foto: UNAIDS
Em visita ao Brasil na última semana de setembro, o diretor do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) para América Latina e Caribe, César Nuñez, elogiou a decisão do país em definir a prevenção combinada como tema do 11º Congresso AIDS e 4º Congresso de Hepatites Virais (HepAIDS 2017). Escolha pode estimular outras nações da região a debater o uso simultâneo de estratégias diferentes para evitar a infecção por HIV.

Com cerca de 4 mil participantes, os dois eventos reuniram especialistas e gestores em saúde pública na cidade de Curitiba, de 26 a 29 de setembro. Entre as pautas das discussões, estavam as metas 90-90-90 da ONU para combater o HIV.

Assumidos pelos países-membros das Nações Unidas, esses objetivos preveem que, até 2020, 90% das pessoas vivendo com HIV estarão cientes de seu estado sorológico positivo, 90% dos indivíduos com o vírus estarão sob tratamento e 90% das pessoas em tratamento estarão com a carga viral indetectável.

Ao final de 2016, quatro em cada cinco pessoas vivendo com HIV na América Latina estavam cientes de seu estado sorológico positivo para o HIV (81%). Das pessoas diagnosticadas, 72% tinham acesso à terapia antirretroviral — o equivalente a 58% de todas as pessoas vivendo com HIV na região. Entre os indivíduos em tratamento, 79% tinham carga viral suprimida — o que se traduz em 46% de todos os que vivem com HIV na região.

A prevenção combinada é uma das frentes nas quais países latino-americanos podem investir para reduzir novas infecções e responder à epidemia.
“Congratulo o Brasil pelo tema escolhido para o Congresso. Quando o Brasil demonstra o compromisso no mais alto nível em relação à prevenção combinada, isso certamente acarretará um movimento positivo em outros países da América Latina e do Caribe”, afirmou Nuñez. Leia mais

Fonte: Site ONUBr
Publicada em 04/10/2017
Seção: Direitos Humanos